ERPI Nossa Senhora da Conceição

A ERPI Nossa Senhora da Conceição, assim designada por estar localizada junto à Capela dedicada à Imaculada Conceição na freguesia do Arco da Calheta, teve o seu início por volta de 1920, quando o então Pároco do Arco da Calheta, o Padre José Marcelino de Freitas teve a iniciativa da construção de uma casa para os mais carenciados. A casa ficou concluída em 1923, com o Padre José Eduardo Faria, sucessor do Padre Marcelino.

Era conhecida como “ A Casa dos Pobres” e subsistia com dificuldades, sendo mantida com a ajuda dos paroquianos. As condições oferecidas pela casa eram muito precárias e o espaço exíguo, muito embora fossem melhoradas algumas partes do edifício. Este esforço de renovação começou a ser feito pelo novo Pároco, Padre Anacleto Ferreira, que passou a contar com a colaboração da senhora Conceição Jardim como responsável do Lar.

Em 1990 iniciou-se uma nova fase, em que foram feitas obras de ampliação e remodelação do Lar Nossa Senhora da Conceição, ficando concluídas em 1991.

Nesta nova fase a Misericórdia da Calheta começou a apoiar todas as mudanças e melhorias do Lar, dando lugar a uma união entre estas duas instituições, em que a ERPI Nossa Senhora da Conceição começa a fazer parte da Santa Casa da Misericórdia da Calheta, levando assim a um acordo de cooperação entre a Santa Casa e o Instituto de Segurança Social.

Esta resposta social com a capacidade máxima para 26 utentes, proporciona alojamento coletivo, de utilização permanente ou temporária, a pessoas idosas em situação de maior risco de perda de independência e/ou de autonomia e que não tem condições pessoais e familiares de permanecer no seu domicílio com qualidade de vida bem como a pessoas idosas que expressam vontade em serem admitidas nesta instituição.

Na ERPI é disponibilizado um apoio individualizado e humanizado aos utentes, tendo em vista a satisfação das suas necessidades específicas e o desenvolvimento adequado do processo de envelhecimento num ambiente familiar, em que os residentes se sintam acolhidos e integrados.
São realizadas atividades de animação sociocultural, recreativa e ocupacional que visam contribuir para um clima de relacionamento saudável entre os residentes e destes com familiares, amigos e comunidade em geral, promovendo assim, a convivência social e a estimulação e manutenção das suas capacidades físicas e psíquicas.

Os serviços prestados e as atividades desenvolvidos nesta resposta social são adaptados às necessidades de cada utente, respeitando a sua liberdade de escolha e a sua individualidade e têm como objetivo contribuir para a estabilização e retardamento dos impactos negativos associados ao processo de envelhecimento e para a preservação da sua autonomia e independência.

É disponibilizado aos utentes um vasto leque de serviços:

  • Alojamento;
  • Alimentação adequada planeada por um Nutricionista;
  • Cuidados de Higiene Pessoal;
  • Cabeleireiro, manicura, pedologista;
  • Tratamento de Roupa;
  • Serviços de Enfermagem;
  • Assistência médica;
  • Transporte e acompanhamento a consultas no exterior;
  • Fisioterapia;
  • Psicomotricidade;
  • Atividades de Animação Sociocultural, Recreativas e Ocupacionais;
  • Apoio Espiritual (A ERPI dispõe de uma capela onde é celebrada Eucaristia regularmente).